sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

E 2012 começa com mais uma estrela brilhando no céu


No domingo, dia 8 de janeiro de 2012, o dia amanheceu mais triste. Dona Ada, minha avó paterna, faleceu. Como disse o Frei durante a despedida, a vida se transforma, e tenho certeza de que ela está agora, aliás, como sempre fez, olhando por todos nós.

Dona Ada sempre foi uma mulher simples, de pouca vaidade, costurava seus próprios vestidos, não pintava o cabelo ou usava maquiagem. Deu a luz a dez filhos, sete homens e três mulheres e quanto orgulho tinha de todos eles! As pessoas diziam: que linda a sua “vózinha”. Ela achava um absurdo, ora onde já se viu, depois de velha ficar lindinha? D. Ada era assim, cheia de opinião! Por detrás daquela senhorinha de 86 anos e hábitos simples, havia uma mulher forte, lúcida e cheia de personalidade, sempre com uma resposta afiada bem na ponta da língua.

Aprendeu a bordar muito jovem, adorava contar como começou, apenas observando outra costureira. Durante toda a vida esteve rodeada por linhas, agulhas, tecidos e máquinas de costura. Herdei o gosto da minha avó e sempre me enchi de orgulho quando ela dizia que eu era “prestimosa”, afinal de contas, este elogio vindo dela sempre foi ainda mais especial.

Minha mãe, sabendo do valor de cada uma dessas peças, guardou as roupinhas que minha avó bordou e costurou pra mim quando nasci. Eu sabia da existência delas, já havia olhado uma por uma, mas há anos elas estavam cuidadosamente guardadas em uma gaveta do meu quarto na casa dos meus pais. Eis que quarta-feira, quando voltamos de viagem, resolvi que olharia essas roupinhas e ganhei, novamente, um lindo presente.

Desde a última vez que as tinha visto, aprendi muita coisa, comecei a costurar, fiz aulas de bordado e hoje sei bem o trabalho e a habilidade que cada uma delas exige. Senti novamente o carinho contido em cada uma daquelas roupinhas e as trouxe comigo para fotografá-las e dividi-las com os leitores do blog. As mãos gordinhas que há três meses carregaram uma das alianças em um dos dias mais especiais da minha vida, bordaram e costuraram, há pelo menos 26 anos esta riqueza que hoje guardo comigo.

Obrigada vó Ada pelos tantos presentes que a senhora me deu, agradeço de coração o incentivo ao meu trabalho (foi ela quem me deu minha máquina de costura, meu instrumento de trabalho e companheira de todas as horas), agradeço as tantas coisas que me ensinou, guardarei sempre a lembrança do nosso último encontro, foi ótimo vê-la bem humorada, com linhas e agulhas nas mãos, contando histórias e me ensinando a bordar. Agradeço pela senhora ter me dado o melhor pai do mundo, por ter cuidado dele com tanto carinho desde pequeno e por tê-lo ajudado a ser o homem que hoje eu tanto amo e admiro. Agradeço pela senhora, mesmo tímida, ter aceitado ser uma da minhas “damonas”, como a senhora dizia. Esta lembrança ficará para sempre guardada no meu coração e no de todos que estiveram presentes no meu casamento.

[Foram estes patinhos que ela me ensinou a fazer na última vez que nos vimos]

Por fim, quero dizer que D. Ada faleceu como queria, sem dor ou sofrimento, perto das coisas que tanto gostava, em sua casa e rodeada por entes queridos. Ela está presente no sorriso de cada um de nós, nas lembranças bonitas que temos dela, nos bordados que ela nos ensinou. Fica a saudade, mas acima de tudo fica a gratidão de toda uma vida e, como disse minha querida tia Célia, logo a dor da ausência se transformará em uma saudade gostosa, que nós nunca deixaremos de sentir.

24 comentários:

Luciane disse...

Ana, que lindo texto! Ouvi centenas de vezes a vó te chamando de 'prestimosa' e tenho certeza que ela tinha muito orgulho de vc e da sua habilidade com linhas e agulhas. Eu não herdei esse dom, e talvez por isso sou ainda mais fã de vcs. Quando ela me ensinou a fazer os patinhos, me deu bronca pq 'parecia que meus patinhos andavam pra trás' rs. Era essa a nossa avó! E sorte nossa, pela avó maravilhosa que tivemos e pela família que herdamos dela. Bjos, querida. Depois quero ver as fotos do seu casamento e a entrada da damona!

Ana Camila disse...

Emocionante Ana Júlia.
Como é bom poder ter convivido com pessoas assim durante a vida né?
Um abraço carinhoso e meus sentimentos.

Joaninha Feliz disse...

Olá Ana!Meus sentimentos a toda família pois perder um patrimonio desse valor não tem substituição...Acredite ela partiu feliz em ver seus entes queridos encaminhados na vida e onde estiver estará olhando por vcs. Seja Feliz
Abraços - Jocicler

STILO BASICO disse...

Que bela homenagem !!

bjim

Helena Maximo disse...

Que delícia ler isso, Ana. As fotos também: deliciosas. Claro que elas se aproveitam da beleza do conteúdo que mostram. E... por mais que seja triste para nós que ficamos, ao pensarmos nesses tesouros que vão embora da nossa vida, percebemos que, para eles, foi tudo muito bom. Viveram a vida plenamente, faziam o que gostavam, sempre tinham um sorriso para dar, curtiram seus dias como quiseram e... que ótimo... viveram bastante. Apesar da nossa saudade, é isso que importa. ;) Beijo carinhoso, prima.

Carol Aguiar disse...

Oi Ana! sinto muito pela sua avó Ada. Muito fofa ela no seu casamento. Agora estará no céu cuidando de você pra sempre! Lindo o que você escreveu. Beijos, Carol.

Pintando o 7 disse...

Olá Ana Júlia...
Com certeza foi um anjinho que chegou no céu, pelo que contou.
Muito lindinha ela.
Que Deus conforte todos os corações.

Celia disse...

Obrigada Ana Júlia pelas carinhosas palavras para a vó Ada, você também é especial, a vó sempre admirou seu geito de ser.Continue com Deus, no aguardo da saudade gostosa.Sinta-se abraçada com carinho.

Pati Asai disse...

Apenas digo: lindo! Bjos no coração!
Pati Asai

Maria Elisa Máximo disse...

Ah Ana, quanto orgulho que tenho de ser tua prima, de poder partilhar da tua sensibilidade, serenidade e dos teus sentimentos. Todos sentimos a partida da vó Ada, que foi daquelas pessoas que, como nosso vô Zuzu, deveriam ficar pra semente: pessoas que tornam o mundo melhor. A vó Ada vive em ti, prima, em todos estes mimos que guardas com tanto amor, no teu talento prestimoso, na tua delicadeza. Um beijo no teu coração.

Marilia Baunilha e Patch disse...

Você é muito especial por ter tido uma avó assim.
Beijos,

Eneida

Milene disse...

Sinto muito Ana.
Bonita essa homenagem que vc escreveu.
Um abraço forte no seu pai também.
Beijos prima.

Mariana Balieiro disse...

Muito legal! Adorei seu blog. Meu ape não é alugado mas eu adoro inovar e amei as coisas que vc posta aqui! =D Se der, visite meu blog. beijos, Mariana

Simples Assim by Karina disse...

Nossa, li o q vc contou e me emocionei. Não te conheço, mas continue sendo assim carinhosa vc só tem a ganhar. bjus e meus pesames.

Adriana disse...

Q incrivel! Lendo hoje o Jornal de Piracicaba, na seção cartas, li sobre a sra. Ada, e olhando seu blog como sugestão da panos e panos, me deparei quase q co as mesmas palavras escritas no jornal desta manhã. Estou certa ou é uma gde coinscidencia?

Lilian Marson disse...

Oi minha linda,avós são como um diamante cravado no coração que agente carrega por toda nossa vida,eu tbm tenho o meu!Um abraço...Lili.

Anônimo disse...

Que historia linda !...Que neta abencoada, sensivel e amororsa....Confesso que fiquei emocionada lendo o depoimento e no final eu chorei. Parabens por ter em sua historia de vida uma Avo tao especial e marcante.
Muito obrigada por dividir conosco a sua bela historia familiar e por permitir que pudessemos ver os bordados DIVINOS da sua Vovo de maos de fada.Sucesso em tudo o que voce fizer e seja muito feliz. LFazolla

lissa disse...

Ai Ana... Emocionei com o post... (só li hoje)
Tu sabe que eu sempre admirei a sua "vózinha linda".. Ela vai deixar saudades.
Tenho o pano de prato com os patinhos, que sempre achei lindo! Vou guardar com mais carinho ainda...

Um beijo enorme, da Lissa

Alê Moreira Lima disse...

Chorei com esta postagem... perdi a minha avó ano passado e tenho tanta saudades dela!!
Guardo com muito carinho as recordações dela na minha vida, sinto apenas por ela não ter visto meu casamento, pois ela virou estrelinha em junho (no dia dos namorados) e eu me casei em novembro.
Acho lindo quando pessoas como você tem tanto amor e fala de uma forma tão doce sobre esta pessoa que sem dúvida é tudo na vida de uma família, pois avó é a pessoa mais marcante na infância.
Beijos e obrigada por este texto fofo que você escreveu.

Liliane Alarcon disse...

Também sinto muita saudade da minha vó; ela se foi há 14 anos e como choro de saudades dela, mas ficam as boas lembranças da pessoa amada!
Adorei seu Blog e estou te seguindo!
Bjs

PATRICIA LOPES TITO disse...

MINHA MÃE, FAZ ESSES BORDADINHOS.MAIS ELA MORA LONGE DE MIM, QUERIA APRENDER.BJS...

Anônimo disse...

mais que vozinha linda,e essas roupinha que ela bordou pra vc que reliquia,que delicadeza maravilhoso...

Anônimo disse...

Lamento muito a tua perda.
As perdas dos que nos amam são irrecuperáveis para nós, que cá ficamos sem que nos possamos voltar a aconchegar naquele colo cheio de amor.
Também já perdi uma avó que era uma segunda mãe para mim.
Costumo dizer que são os nossos mortos que nos envelhecem, que nos lembram que somos efémeros.
Time Traveller

cida araujo disse...

Amei os patinhos da "vó Ada"!!

Postar um comentário

Olá! Ficarei muito contente com comentários, dúvidas e sugestões! Obrigada pela visita e volte sempre! ;)